Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility Ir para conteúdo

Notícias

Sem resultados a apresentar
Proteção Civil

Alerta - Condições meteorológicas adversas - Precipitação e Vento

12 setembro, 2021

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA, para as próximas 48 horas, destaca-se a previsão de precipitação sob a forma de aguaceiros por vezes fortes, em especial na região Litoral Centro e Sul, a prolongar-se até ao final de terça-feira, realçando-se os seguintes aspetos:

Amanhã 13 de setembro de 2021 - segunda-feira

  • Aguaceiros, por vezes fortes e acompanhados de trovoada em especial no litoral oeste e Algarve, estendendo-se gradualmente às restantes regiões a partir da tarde;
  • Probabilidade de fenómenos extremos de vento, associados à convectividade;
  • Vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante sul, soprando moderado a forte (30 a 45 km/h) nas terras altas, em especial do Centro e Sul, por vezes com rajadas até 80 km/h.

Depois de amanhã 14 de setembro de 2021 - terça-feira

  • Aguaceiros, por vezes fortes, acompanhados de trovoada, granizo e rajadas de vento forte.
  • Vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante sul, soprando moderado a forte (30 a 40 km/h) nas terras altas do Centro e Sul.
  • Descida da temperatura máxima.

Situação Hidrológica:

Face às previsões de precipitação forte e persistente nas regiões acima mencionadas, poderão ocorrer cheias e inundações nas áreas urbanas mais impermeabilizadas, com destaque para a área metropolitana de Lisboa e para a cidade de Setúbal, existindo ainda o risco de subida da altura dos rios e ribeiras do Algarve, com os subsequentes problemas de inundações nas zonas urbanas e mais impermeabilizadas desta região do país. Há que tomar especial atenção à eventual conjugação dos picos de precipitação com as horas previstas para a preia-mar:

Amanhã 13 de setembro de 2021 - segunda-feira

· Cascais – 07h46 (3,0 metros) e 20h21 (2,9 metros);

· Faro – Olhão – 07h49 (3,0 metros) e 20h25 (2,8 metros);

· Lisboa – 08h32 (3,3 metros) e 21h06 (3,2 metros);

· Setúbal – 08h10 (3,0 metros) e 20h42 (2,9 metros).

Efeitos expectáveis

Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio por eventual formação de lençóis de água;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes de comunicações e energia;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Desconforto térmico na população pela conjugação da temperatura mínima baixa e do vento, nomeadamente nas terras altas.

Medidas de autoproteção

A ANEPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em locais de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado com a fixação das estruturas temporárias (tendas) que se encontrem montadas para apoio à situação pandémica;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a estes fenómenos;
  • Proceder à remoção de máquinas e alfaias agrícolas, bem como de animais das zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a fenómenos de alagamentos e inundações
  • Prestar atenção aos grupos mais vulneráveis (crianças nos primeiros anos de vida, doentes crónicos, pessoas idosas ou em condição de maior isolamento, trabalhadores que exerçam atividade no exterior e pessoas sem abrigo);
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

 

O Serviço Municipal de Proteção Civil da Lourinhã encontra-se disponível 24h/dia, através dos seguintes contactos:

Gabinete de Prevenção e Trânsito Tel: 261 410149 Fax: 261 410108 | Tel: 918539641 (24 h)

 Gabinete Técnico Florestal Tel: 261 410149 | Fax: 261 410108 |Tel: 916156297 (24 h)

Logotipo Proteção Civil Lourinhã
Proteção Civil

Período crítico de risco de incêndio rural vigora de 1 de julho a 30 de setembro

01 julho, 2021

O período crítico de risco de incêndio rural em Portugal, vigora de 1 de julho a 30 de setembro. Conheça as restrições associadas à classe de risco de incêndio rural:         

É PROIBIDO fazer Queimada Extensiva sem AUTORIZAÇÃO.

É PROIBIDO fazer Queima de Amontoados sem AUTORIZAÇÃO. Informe-se na sua câmara municipal ou pelo 808 200 520.               

É PROIBIDO utilizar fogareiros e grelhador é proibido em todo o espaço rural, salvo se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito. 

É PROIBIDO fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais.        

É PROIBIDO lançar balões de mecha acesa e foguetes. O uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da câmara municipal.       

É PROIBIDO fumigar ou desinfestar em apiários exceto se os fumigadores tiverem dispositivos de retenção de faúlhas.               

É PROIBIDO usar motorroçadoras (excepto se possuírem fio de nylon), corta-matos e destroçadores nos dias de Risco Máximo. Evite o uso de grades de discos.                                                                            

É OBRIGATÓRIO usar dispositivos de retenção de faíscas e de tapa-chamas nos tubos de escape e chaminés das máquinas de combustão interna e externa nos veículos de transporte pesados e 1 ou 2 extintores de 6 Kg, consoante o peso máximo seja inferior ou superior a 10 toneladas.

Consulte toda a informação, disponível no Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de Junho.

Restrições dentro do período crítico associadas à classe de risco de incêndio rural
Proteção Civil

Desconfinamento, 3ª fase, conheças as medidas definidas para a Lourinhã

19 abril, 2021

Com a publicação da Resolução do Conselho de Ministros nº 19/2021, de 13 de março, que estabelece uma estratégia de levantamento de medidas de confinamento no âmbito do combate à pandemia por COVID-19 e do Decreto n.º 7/2021, de 17 de abril, que Regulamenta o Estado de Emergência, decretado pelo Presidente da República, informamos os cidadãos das seguintes medidas de prevenção que continuam a vigorar no concelho:

Funcionamento dos seguintes serviços e equipamentos:

  • Atendimento ao Munícipe no edifício dos Paços do Concelho, através de marcação;
  • Mercados Municipais da Lourinhã e Praia da Areia Branca;
  • Parques e jardins de gestão municipal;
  • Parque de Campismo da Praia da Areia Branca;
  • Galeria Municipal da Lourinhã;
  • Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro;
  • Estádio Municipal da Lourinhã condicionado à circulação exclusiva de atletas e equipas técnicas;
  • As cerimónias fúnebres poderão realizar-se no interior do cemitério acompanhadas por família e afins, no máximo de 30 pessoas, condicionadas ao cumprimento das normas emanadas pela Direção Geral de Saúde.
  • Pavilhão Polidesportivo Municipal;
  • Pavilhão da Casa do Povo da Lourinhã - Centro de vacinação COVID-19;
  • Centro Cultural Dr. Afonso Rodrigues Pereira;
  • Auditório Municipal da Lourinhã;
  • Postos de Turismo da Praia da Areia Branca e da Lourinhã;
  • Restaurantes e similares, com o máximo de 4 pessoas por mesa no interior ou 6 por mesa em esplanadas, até às 22h30 nos dias de semana e às 13h nos fins-de-semana e feriados. Após este horário e até às 22h30, apenas é possível disponibilizar refeições ou produtos embalados em regime de takeaway;
  • Dino Parque Lourinhã, com encerramento da restauração aos fins-de-semana e feriados às 13:00h. Após este horário e até às 18h00, apenas é possível disponibilizar refeições ou produtos embalados em regime de takeaway.

Manutenção do encerramento das seguintes instalações e equipamentos:

Atividades recreativas, de lazer e diversão:

  • Discotecas, bares e salões de dança ou de festa;
  • Circos;
  • Equipamentos de diversão e similares;
  • Salões de jogos e salões recreativos.
  • Desfiles e festas populares ou manifestações folclóricas ou outras de qualquer natureza;

Atividades desportivas:

  • Campos de rugby e similares;
  • Pavilhões ou recintos fechados;
  • Ringues de boxe, artes marciais ou similares;
  • Pavilhões polidesportivos;
  • Estádios;

Termas e spas ou estabelecimentos afins

  • Não é permitido o funcionamento destes espaços.

Relembramos que, a GNR - Guarda Nacional Republicana tem em funcionamento uma linha de atendimento ao cidadão para questões relacionadas com o COVID-19. Para ver a sua questão esclarecida, envie uma mensagem de correio eletrónico para: covid19@gnr.pt, ou através do contacto telefónico do Posto da GNR da Lourinhã – 261 430 140.

Estas medidas entram em vigor de imediato e prolongam-se até ao dia 02 de maio, sendo sujeitas à avaliação permanente, em articulação com as orientações das autoridades de saúde.

Logotipo Proteção Civil Lourinhã
Proteção Civil

Prorrogado prazo para limpeza dos terrenos florestais, até 15 de maio

19 março, 2021

O Município da Lourinhã informa que o Governo, através do Decreto-Lei n.º 22-A/2021, de 17 de março, decidiu proceder à prorrogação do prazo para limpeza dos terrenos florestais, até 15 de maio de 2021, para particulares, produtores florestais e entidades gestoras de terrenos e infraestruturas. Além disso, os Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios devem estar aprovados ou atualizados até 31 de maio.

De acordo com o referido Decreto-Lei, a medida justifica-se atendendo às especiais dificuldades criadas pelo ambiente pandémico, no âmbito dos trabalhos de gestão de combustível.

Assim, dever-se-á ter em consideração que:

1 — Até 15 de maio de 2021, os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edifícios inseridos em espaços rurais garantem a realização dos trabalhos de gestão de combustível.

2 — Até 15 de maio de 2021, nos aglomerados populacionais inseridos ou confinantes com espaços florestais, e previamente definidos nos planos municipais de defesa da floresta contra incêndios (PMDFCI), é obrigatória a gestão de combustível numa faixa exterior de proteção de largura mínima não inferior a 100 m, podendo, face à perigosidade de incêndio rural de escala municipal, outra amplitude ser definida nos respetivos PMDFCI.

3 — Até 15 de maio de 2021, as entidades gestoras ou, na sua inexistência ou não cumprimento da obrigação, as câmaras municipais garantem a realização dos trabalhos de gestão de combustível nos parques de campismo, nos parques e polígonos industriais, nas plataformas de logística e nos aterros sanitários inseridos ou confinantes com espaços florestais previamente definidos no PMDFCI, bem como a manutenção de uma faixa envolvente com uma largura mínima não inferior a 100m.

De referir que, de acordo com a Lei do Orçamento do Estado para 2021, até 31 de maio de 2021 os municípios garantem a realização de todos os trabalhos de gestão de combustível, devendo substituir-se aos proprietários e outros produtores florestais em incumprimento, procedendo à gestão de combustível prevista na lei, mediante comunicação e, na falta de resposta em cinco dias, por aviso a afixar no local dos trabalhos.

A Lei do Orçamento de Estado 2021 determinou também que, este ano, as coimas por falta de realização dos trabalhos de gestão de combustível são aumentadas para o dobro, passando para 140 euros a 5000 euros, no caso de pessoas singulares e 3000 euros a 120.000 euros, no caso de pessoas coletivas.

Prorrogação de prazo para limpeza dos terrenos florestais
Proteção Civil

Município coloca armadilhas caseiras para vespas asiáticas, desenvolvidas por alunos da EB João das Regras

17 março, 2021

O Município da Lourinhã informa que, em 2021, volta a promover a destruição de todos os ninhos primários e definitivos de vespa asiática, detetados no território, como medida de controlo da propagação desta espécie.

Assim, para além dos procedimentos habituais, que decorrem da constatação de novos ninhos, como a adjudicação da exterminação a entidades competentes para o efeito, deu-se, em 2021, prossecução ao projeto iniciado na Escola Dr. João das Regras, relativo a esta espécie, procedendo-se à colocação de armadilhas caseiras, elaboradas pelos alunos do 6º ano, nas aulas de Educação Tecnológica, no ano letivo 2019/2020.

Estes meios de prevenção foram distribuídos pelo território, com especial incidência nos locais envolventes onde anteriormente tinham sido detetados ninhos de vespa asiática e têm como objetivo a captura de vespas rainhas, fundadoras de novas colónicas, impedindo assim a reprodução e o desenvolvimento de novos ninhos. Em simultâneo, estas armadilhas serão monitorizadas quinzenalmente para contagem de capturas e reforço do atrativo.

O Serviço Municipal de Proteção Civil, tem disponível para entrega aos apicultores ou à população em geral armadilhas caseiras, que devem ser solicitadas através do contacto telefónico 261 410 149 ou do email protecaocivil@cm-lourinha.pt.

Alertamos ainda para, em qualquer circunstância, nenhum munícipe dever tentar destruir ninhos de vespa asiática, utilizando armas de fogo ou destruindo parcialmente o ninho, através de quaisquer ferramentas, uma vez que existe o risco de disseminar as vespas, que construirão novos ninhos ou de as mesmas, sentindo-se ameaçadas, atacarem e, no caso de a picada acontecer em pessoas ou animais que façam uma reação alérgica grave a picadas de insetos e venenos de animais, poder-se-á desencadear uma reação alérgica grave. Em caso de detetar esta reação, deverá ser chamado de imediato o 112.

Assim sendo, todos os avistamentos de vespa asiática ou dos respetivos ninhos devem ser comunicados, à Camara Municipal da Lourinhã, através do Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC), que procederá em conformidade.

Os contactos a utilizar são:

Telefone: 261 410 149 / 919 996 410

Email: protecaocivil@cm-lourinha.pt

Informamos ainda que, em 2020, foram destruídos 11 ninhos de vespa asiática e que esta é uma espécie exótica invasora, predadora de abelhas e altamente prejudicial para a produção de mel, agricultura e ecossistema em geral. Desde 2011 que está confirmada a presença da vespa velutina em Portugal, no norte do pais, no entanto, tem-se assistido a uma progressão gradual da área afetada em todo o território nacional. A Vespa velutina é predominantemente preta, com uma ampla faixa laranja no abdómen e uma faixa amarela no primeiro segmento. Quando é observada de frente, a sua cabeça é laranja e as sua patas são amarelas nas pontas. O tamanho da vespa asiática varia entre os 2,5 e os 3cm. Na primavera, as vespas rainhas formam os ninhos primários, que têm cerca de 5-10 cm de diâmetro. Posteriormente formam-se os ninhos secundários ou definitivos que têm uma forma esférica ou em forma de pera, têm cerca de 50-80 cm de diâmetro, e são geralmente feitos em árvores altas.

Ninho de vespa asiática